Sobre

PROTEJA-SE E AJUDE A COMBATER O CORONAVÍRUS! - 17/03/2020


Veja na integra tudo sobre essa notícia.

PROTEJA-SE E AJUDE A COMBATER O CORONAVÍRUS! - 17/03...

Se você puder, fique em casa

O secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson de Oliveira, declarou que não há regra de prevenção única para todo o país. Mas cuidados básicos devem ser tomados para impedir o avanço do coronavírus. Além de lavar as mãos, cobrir a boca ao tossir ou espirrar e isolar pacientes com covid-19 por até 14 dias, o Ministério já recomenda a redução do contato social (evitar aglomerações, por exemplo) a pessoas sem sintomas.

Alguns especialistas até defendem que é hora de adotar o isolamento para quem tem a opção de ficar em casa. É o caso do virologista e professor no Instituto de Ciências Biomédicas da USP (Universidade de São Paulo) Paolo Zanotto, que declarou em um artigo publicado na quinta-feira (12) na Folha de S. Paulo que é "prudente assumir um risco elevado" o quanto antes. Para evitar um número grande de mortos pelo vírus, ele sugere um regime de isolamento amplo, ou seja, que escolas sejam fechadas e que pessoas trabalhem de casa e evitem sair na rua.

Segundo Zanotto, intervenções como essa antes do crescimento exponencial da doença foram responsáveis pelo comportamento ascendente moderado da covid-19 em Singapura, Japão e Hong Kong. Além disso, a medida impediu a saturação do sistema hospitalar.

O epidemiologista Alexandre Kalache, que dirigiu o programa de envelhecimento da OMS (Organização Mundial da Saúde), declarou em entrevista ao VivaBem que é preciso ter bom senso e fazer o possível para se proteger e também cuidar dos idosos (que sofrem mais com a doença):

Não está na hora de viajar, de ir ao teatro. Está na hora de evitar aglomerações. Temos que ter cuidado para não espalhar uma infecção grave como essa a pessoas mais suscetíveis"Alexandre Kalache, epidemiologista

Nancy Bellei, professora e médica infectologista da Escola Paulista de Medicina da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), concorda que, se todos ficarem dentro de casa, a epidemia não vai avançar. Porém, ela questiona se medidas do tipo são factíveis. "Conseguimos ter aulas online para quem estuda na rede pública? É uma doença social. Qualquer atitude tem impacto no comportamento das outras pessoas. Elas precisam trabalhar, deixar filhos na escola. Como uma mãe ou um pai que trabalha vai continuar empregada se tiver que cuidar do filho em casa?"

A infectologista, no entanto, diz que, se o escritório recomenda que os funcionários fiquem em casa ou se a escola entrou em um acordo com os pais, tudo bem. Mas não é possível mandar que a população toda faça isso por conta própria.

Já Fernanda Maffei, infectologista da Santa Casa de São Paulo e do Hospital Samaritano, diz que, neste momento, não há nenhuma recomendação que prove que o isolamento só de parte da população dará resultado.

Tem que ser uma ação conjunta. Ou fecha tudo e todos param ou mantém as atividades com parcimônia"Fernanda Maffei, infectologista